Arquivo do mês: setembro 2009

Cuidado com o "Deus é Fiel"

É comum ver placas, dísticos, pinturas, faixadas em comércios, grafitados em muros, adesivos em carros e em muitos lugares, a frase “Deus é Fiel”. Observando por muitos anos isso, percebo que às vezes, as pessoas usam isso como jargão, ou um chavão “evangeliquês”, de caráter supersticioso, e sem nenhum entendimento de tal coisa.

Mas você que dizer que isso é errado? você pergunta. Não, apenas observo e vejo que as pessoas usam esse dizer, apenas para afirmar a sua própria egocentricidade, sua santimônia, ou quem sabe sua excessiva religiosidade.

Na maioria dos casos, eu vejo como uma resposta da sua fidelidade “dizimísticista”(junção de dízimo com místicismo), produto de um ensino errôneo aplicado na maioria das igrejas neopenteconstais, instruindo ao povo, ainda que de forma subjetiva, a famigerada BARGANHA com Deus. O ensino é esse: Se eu dou o dízimo, logo então serei abençoado, não terei nenhum problema de ordem financeira, terei todos os dilemas resolvidos,ou ainda se você não dar o “juízo” vem e outras absurdas coisas.

Assim ensinam ao povo uma pseudo segurança espiritual, onde muitos se frustram, e pior de tudo pôe a culpa em Deus.

Quer conhecer realmente a fidelidade divina? A Palavra diz “o justo pela sua fé viverá”, andando pela fé, em coração grato pela salvação, pois gratidão produz generosidade de compartilharmento de dádivas recebida por Deus. Coração arraigado em Fé e gratidão sempre gera um doar, não só de bens, mas de alma. Quer conhecer gratidão no coração e fidelidade nos tratos para com os outros, e poder dizer com toda alma “Deus é Fiel” ? Leia 2 Coríntios 8 e 9, mas leia com a mente aberta!!!

Pra finalizar quero dizer a você…pare de dizer “Deus é Fiel” usando isso como uma mandinga,ou como um amuleto gospel ou como expressão de palavra paganizada. Viva e discirna essa fidelidade no seu trato para com o próximo, nas suas necessidades mais básicas. Não diga, como um produto de uma mente-mercantilizadamente-religiosa para atender aos seus caprichos em detrimento da necessidade alheia.

Conheça realmente o Amor Fiel de Deus, para então poder dizer DEUS É FIEL!

Mário Celso,

Anúncios

O Chamado De Davi: Feito com Graça

já tem o Senhor buscado para si um homem segundo o seu coração, e já o tem destinado para ser príncipe sobre o seu povo, porquanto não guardaste o que o Senhor te ordenou”.

“Enche o teu vaso de azeite, e vem; enviar-te-ei a Jessé o belemita, porque dentre os seus filhos me tenho provido de um rei”.

I Sam 13.14b; 16.1b

Os livros de Samuel, revela-nos o trato de Deus com o seu povo Israel. O profundo cuidado divino em colocar em Israel, como nação escolhida por Seu Designio, para luz às nações, como detentora dos oráculos, e em tempo oportuno revelar o Rei-Messias.

Nas primeiras cenas do livro, já notamos a dedicação, o zelo,o compromisso de Samuel para realização dos propósitos de Deus para Seu povo.

Depois vemos a pecaminosidade dos pedidos de um povo rebelde, quando pedem para si um rei, segundo costumes das nações. Era o que regulamentava o coração obstinado de cada um deles.É melhor uma monarquia-insubmissa a uma teocracia orientada. Era essa a opinião resoluta da mente paganizada.
Aparece então a figura do camponês transformado em rei. Saul, que de forma humilde na sua “beginning” de vida, apesar de caráter enigmático, faltava-lhe a perseverança e um coração dobrado à vontade divina. Já ecoava-se em seus ouvidos a rejeição dessa escolha. No episódio mais marcante dessa rejeição foi ouvir um sinal audível de chuvas fortes e trovoadas. (I Sam. 12).
Logo, o caráter bipolar de Saul revela-se. O proceder de forma néscia, louca, compulsiva vem à tona. Oferecer sacríficios, era uma forma dissimulada de rebeldia. O importante não é a fôrma e sim a FORMA. A essência dessa FORMAlidade estava em voga.A loucura do ato emulado pela desobediência. De que adianta oferecer o melhor dos holocaustos se a minha consciência-poluta-contumaz se sobressai.
Daí vem a resposta de Deus, através de Samuel. Não subsistiria ante o crivo divino. Amargurava-se a rejeição. A Graça soberana de Deus estava há muito tempo operando num secreto “search” um homem segundo o seu coração. Davi, o amado na sua significação semântica-hebraica, mas que também confirmou esse amor a Deus por toda a sua vida.
Samuel então o unge como príncipe do seu povo.O próprio Deus então faz a provisão de um rei. Notemos a diferença das unções. Saul é ungido com vaso de azeite (provisão humana), Davi no entanto ungido com um chifre(logicamente de animal, provisão divina).Apesar de algumas versões traduzirem “vaso”, porém no original hebraico “queren” significando “chifre de animal”.
O que quero ressaltar aqui, é a Graça Soberana de Deus a escolher Davi como rei. Não houve antes nenhuma procuração pública de que há vagas para rei em Israel, mas sim um procuração divina em secreta graça para o menino ruivo, de boa aparência e sisudo em palavras.
O chamado de Davi para ser rei em Israel, é produto da puríssima Graça de Deus. Imprimindo na mente desse jovem guerreiro a Palavra no qual transbordava em salmos poéticos,ora imprecatórios,ora meditativo e adorador, de forma que a vida de Davi foi marcada de graça, virtude, amor, para com o Deus de Israel., ao ponto de ser segundo o coração de Deus.
A Graça de Deus hoje nos prova em Cristo, que a escolha dEle por nós mesmo sendo feita antes da fundação do mundo, para sermos filhos do Seu amor, para vivermos em conformidade com a Sua Palavra, em um processo de Santificação sem neurose, mas de uma consciência pura, de um viver em submissão a Deus em amor.
Assim foi a vida de Davi, assim poderá ser a nossa vida para com Deus. Um contínuo reflexo do Amor de Cristo, sendo nós peregrinos dessa extensa caminhada.
Mário Celso,
29 de Setembro de 2009


ACESSO AO TRONO: UM PRIVILÉGIO SEM CULPA

“Tendo pois, irmãos, intrepidez para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus, pelo novo e vivo caminho que Ele nos consagrou pelo véu, isto é, pela sua carne, e tendo grande sacerdote sobre a casa de Deus, aproximemo-nos com sincero coração, em plena certeza de fé, rendo os corações purificados de má consciência, e lavado o corpo com água pura…” Hebreus 10.19-22.
Quando lemos a epístola aos Hebreus, percebemos a grande luta do autor a colocar na consciência de cada cristão, a insuficiência de cultos mosaicos relativos à expiação de Pecados. O capítulo 10 nos mostra a intensidade disso. Bem no começo ele já “rasga” a exacerbação dos cerimoniais, quando se diz apenas a sombra dos bens mais excelentes.
Toda aquela “carrada” de sacrifícios se tornaram obsoletos com a chegada da maior OFERTA de todos os tempos.
Os tais sacrifícios do velho pacto se tornavam como uma espécie de emulador de consciências culpadas diante de Deus. A cada fez que se matava touros e bodes a recordação de pecados estigmatizava a ação do ofertante. Ano após anos a culpa se avultava, de forma a torna-se deprimente. Mas porque a culpa não era tirada? “Porque é impossível que sangue de touros e bodes remova pecados”, e o “culto” somente alimentaria a mancha na consciência se todos esses artifícios operasse em cada ofertante.
Mas tudo aquilo era apenas sombras, não a imagem real das coisas dos bens vindouros. O sacrifício maior já foi realizado de uma vez por todas, sem necessidades de intermediários, sem aparatos e estereótipos da religião.
O Cordeiro ao entrar no mundo desfez a inimizade entre Deus e o homem, se tabernaculou como oferta e dizendo ao Pai: Eis aqui estou, para fazer a tua vontade, portanto Deus não se interessa mais por nenhuma produção humana de cultos, nenhuma oferta queimada,nenhum animal morto, nada de oblações. Portanto Cristo o Grande Sacerdote removeu o Primeiro( leis cerimoniais do AT) para estabelecer o Segundo (o Seu Sangue purificador).
Esse resultado dessa entrega do Cordeiro dinamizou a minha santificação pela oferta do seu corpo, e isso de uma vez por todas. Nada preciso (como processo de aperfeiçoamento regrado pela culpa da minha consciência) para me santificar, visto que é claro, está nítido no texto, a vontade remidora de Cristo me santificou.(vs 10,14).O seu Sacrifício me purificou! Aleluia.
Agora, o clímax dessa declaração divina, nos introduz ao mais perfeito dos acessos. A chegada ao Santo dos Santos. O lugar de mais impoluta presença. Tenha “intrepidez”. No grego parresian παρρησια significando- liberdade em falar, franqueza no falar, abertamente, sem segredo, sem ambiguidade, sem o uso de figuras e comparações. Outro significado dessa palavra seria: confiança aberta e destemida, coragem entusiástica, audácia e segurança.
Veja quão profundo esse texto nos evoca. Nos Santos dos Santos, lugar tão temido outrora, agora destemidamente podemos entrar. Através do Sangue do Cordeiro. Não preciso de nenhum “shofar”, nenhum artefato gospel, nenhuma mandinga vinda de Israel. Nada disso! O sangue-que-me-consagrou-novo-vivo-caminho, me leva à presença do Pai e podemos clamar Aba,Pai. Aproxima-te, com sincero coração. Lava-te da má Consciência e Guarda firme a Confissão da esperança. Só precisa disso.
Mário Celso, firme na esperança proposta, 27 de Setembro de 2009

Dias Futuros, Homens Perigosos

“Sabe, porém, isto, que nos últimos dias sobrevirão tempos penosos”

O que você espera do futuro? Quais são as suas expectativas para o amanhã? Talvez essa seja a pergunta de muita gente. São tantas promessas de boas coisas para acontecer, é uma fantasia em disparate para os proclamadores de uma “paz” futura.

A esperança na vã vida terrena de fato não é propaganda somente de políticos bem intencionados na eleição, mas é também de muitos que se dizem pregadores do Evangelho. A mensagem paradisíaca de acolhimento do bem-estar nesse mundo para os homens, é a tônica dos arautos da atualidade. É muito melhor pregar a pseudo-paz humana focada no antropocentrismo, a mensagem que diz: ” Se é só para esta vida que esperamos em Cristo, somos de todos os homens os mais dignos de lástima”(I Cor 15.19).

Essa mensagem de renúncia do eu, abnegação, escolha da vontade divina, está em desuso! o que vale é tudo que seja pragmático, emocional, superficial em detrimento do que a mensagem do Evangelho nos orienta.

Mas olhando para que o apóstolo Paulo escrevera, bem no começo da era cristã e atentando para o todo contéudo dessa carta, percebo um “pessimismo” do apóstolo em relação aos últimos dias, ( “schatos” palavra grega para “últimos” donde vem a palavra escatologia, estudo das últimas coisas, aparecendo 52 vezes no Novo Testamento) relacionando-se com a disposição de caráter interno do homem na sua inter-relação. Dias penosos, que no original, esclarece como sendo dias perigosos, é toda uma plenitude de agressividade, barbaridade e insanidade de um contra o outro. Observando a lista dessas disposições, percebo a magnitude do caminho do homem pós-moderno. Os homens serão:

  • Amantes de si mesmo
  • Gananciosos
  • Presunçosos
  • Soberbos
  • Blasfemos
  • Desobedientes aos Pais
  • Ingratos
  • Ímpios
  • Nenhum tipo de afetividade
  • Implacáveis
  • Caluniadores
  • Incontinentes
  • Crueis
  • Inimigos do Bem
  • Traidores
  • Atrevidos
  • Orgulhosos
  • Hedonista(busca desenfreada pelos prazeres)
  • Falsa piedade (religiosidade fantasmagórica e perversa, onde se prevalece a aparência, a estética superior a ética, conforme o curso deste mundo)

Não sei por que, que todas as vezes que leio isto só lembro da mídia propagando e enaltecendo as ações de homens nesses perfis. Agora diga pra mim, se filmes, músicas, celebridades, artes, enfim todo o recurso de entretenimento, político, filosófico, teológico que se dispôe hoje, não tem esse espírito?

Saiba, esse é o espírito do qual o mundo vive hoje…A tendência é o crescimento disso em escala gigantesca.

Pense Nisso!

Mário Celso, porque a minha Esperança está Em Cristo


Boas Palavras aos amigos blogueiros

Vendo os blogs de todos os amigos e seguidores do Evangelho do Reino, percebo em todos ele a dinamicidade de escrita e idéias afirmando a ortodoxidade da Palavra. Posso citar alguns nomes como Hermes Fernandes, Ciro, Leonardo, Danilo do Genizah, Pr. Marcelo, Dianne da Manguita e muitos outros…Pessoas que Fazem da NET uma arma contra os vilões da Fé Verdadeira no Deus Verdadeiro…digo a boa mílicia da Fé.

Parabéns a todos vocês…Que O Eterno usem a todos vocês em sobriedade e virtude na exposição da Palavra…Agradeço ao Bispo Hermes e ao Pr. Marcelo que carinhosamente me escreveram…

Que sejamos verdadeiros atalaias como foi Jeremias que batalhava ardilosamente contra os mensageiros da”boa profetada babilônica” no qual insistiam em dizer em Nome do Senhor que o povo voltaria para sua terra gozando de uma “paz” não existente…mesmo sabendo que Jeremias profetizava a estata do povo na terra Caldéia.Jeremias 28. Não adianta profetizar maravilha, ou como diz aqui na minha terra “maravalha”, quando Deus está descendo a navalha(risos).

Mário Celso, no processo de desmistificação da Fé

Teresina, 25 de Setembro de 2009

Estou em crise, Senhor e agora?

Por que te conservas ao longe, Senhor? Por que te escondes em tempos de angústia?” Sl 10.1

Como podemos entender os desígnios divinos? como penetraremos no recôndito do seus planos?! Como Tu, Senhor, podes contemplar a crise que estou vivendo e silencia-te? Eis a angústia desse salmista.

O panorama circunstancial do qual vive o salmista, é rodeado de violência, pânicos, terrores de homens maus, que insidiosamente pertuba o fraco. O que ele assiste é a soberba tirania dos poderosos contra uma força-palha dos fracos.

O ímpio brinca de poder, gloria-se na sua força, desfaz de Deus, rouba os direitos dos pequenos,elocubra-se em cogitações malignas afirmando ser o deus-Eu, donde se tira toda sorte de peversidade.

Mas o que mais angustia o pobre salmista, é a “prosperidade” dos tais. O caminho do fortúnio se mostra a eles fortemente. Nada o abala. A sua boca se tornou um decreto de maldição. Com a sua língua vence todos os juízos. Mesmo sendo injusto, a “justiça” é alçada. Com isso vem emboscada, morte para o indefensável orfão.

O caminho do homem peverso é observado tristemente pelo salmista, do qual pertuba-se e questiona, “por que te conservas longe”. Por tanta cenas, de violência, injustiça,pisamento, sufocamento, morte de fracos, só poderia surgir uma oração-lamento.

Contextualizando hoje, as vezes me sinto sufocado, por tanta agressividade do homem caído, por tanta violência seja física, psicológica, doutrinária, religiosa, de homens cujo a força está em seu braço, o seu deus é um bruto sistema de ganância, esganando todo tipo de pobreza.

A crise urbana gera em mim uma crise existencial. Onde temos portanto a resposta? A resposta está na soberana e silenciosa ação de Deus que se levanta sobre tudo isso. O SENHOR é Rei e reinará soberanamente sobre todas as nações!

Deus não precisa de um defensor, não precisa de um poderio bélico, não precisa de nada disso. Ele mesmo se levanta sobre todos. A todos irão julgar. Nada escapará ante a Sua presença.

Os que brincam de deuses irão se desvanecer perante o Seu Poder.

Daí percebo que a minha crise acabará aqui. O conservar longe do Senhor, é apenas um teste…”terei tribulações por dez dias”… O salmista finda dizendo que o Senhor ouve a oração-desejo do manso e o conforta. Não existe alívio melhor para minha crise existencial quando tenho a certeza e a confiança de um Deus que me ouve, me alivia, conforta e cumpre os desejos do meu coração. E acima de tudo julga a causa do meu próximo, o oprimido. O meu desejo é também satisfeito com o bem-estar do meu vizinho!

Mário Celso, clamando ao Senhor ,

Teresina 24 de Setembro de 2009


Amor confiante, oração atendida

E esta é a confiança que temos nele, que se pedirmos alguma coisa segundo a sua vontade, Ele nos ouve. E se sabemos que nos ouve em tudo o que pedimos, sabemos que já alcançamos as coisas que lhe temos pedido” I Jo 5.14,15

Umas das mais belas descrição joanina, para os crentes esperançosos! Digo esperançoso. Afinal a tônica da carta de João, além de enfatizar o Amor Verdadeiro, valida também a esperança. Resultando numa confiança. A esperança em Deus é alimentada pelo amor que temos a Deus e em Deus, de forma, por essa esperança procura me tornar como Ele. E quando me purifico para esperança proposta a mim de que um dia O verei como Ele é, o meu coração novo nascido, testificará a minha certeza de que Jesus é o Filho de Deus e redundará em amor aos filhos de Deus. Quando leio a carta de João, sempre me vem a mente um modo “sistêmico” de relacionalidade entre Deus-Eu-o próximo.

Nessa relação de amor e entrega voluntária, gerará uma confiança. E é dessa confiança do qual o apóstolo fala. É na oração confiante no amor cuidadoso do Pai, temos a certeza de sermos atendidos. Agora uma condição: segundo a sua vontade- Bem, essa não é uma boa idéia para alguns, visto que as aspirações, quase que absoluta são de natureza egocêntrica, carnal, luxuriosa. De onde vem a resposta “Não” de Deus, conforme disse Tiago, simplesmente para gastarmos nos nossos deleites e prazeres.

Ora, isso é simples, quando o meu coração está carregado de temor, amor, rendição, submissão ao Pai, a resposta só poderá ser “Sim”. No verso seguinte se diz que se teu irmão pecar, você deve interceder por ele, e Deus o ouvirá. Uma das respostas das nossas orações é a re-edificação do irmão caído. Para esse tipo de oração a resposta de Deus sempre será SIM.

Deus se interessa por essa oração. Baseado nela você pode sempre orar.

Em outros aspectos, não tenha medo de pedir a Deus. Cristo foi relutante em dizer que a perserverança faz parte do “script” da oração do filho de Deus. Leia Lucas 18.

Deus se alegra em nos atender, desde que em conformidade com a Sua vontade. Então cai por terra aqui todas aquelas famigeradas expressões de decreto e determinações. Não determinamos nada. Deus determina e decreta. A soberana vontade Dele é mais alta do que minhas meras palavras.

Lendo esse texto, ecoa a palavra do Mestre, “pedi, buscai,batei”. A afirmação segura de um coração insistente em produzir a Vontade de Deus na vida.

Medite nisso!!!

Mário Celso, crendo poderosamente em Deus para responder as nossas orações

Teresina, 23 de Setembro de 2009


%d blogueiros gostam disto: